Orquídeas do Mato

Conheça Alguns Tipos de Orquídeas do Mato

Ao pesquisarmos a origem das orquídeas, vamos descobrir que as primeiras espécies foram encontradas a aproximadamente 3 ou 4 mil anos atrás, no extremo oriente. As orquídeas geralmente são divididas em 3 grupos: as terrestres, que vivem no chão; as rupícolas, que se adaptam às rochas e as epífitas, que também são chamadas de orquídeas aéreas, porque vivem fixadas nos troncos das árvores.

As Orquídeas do Mato em Números Brasileiros.

No Brasil, são conhecidos mais de 220 gêneros de orquídeas e cerca de 2.500 espécies. Só na Mata Atlântica, existem cerca de 1.500 espécies e, destas, 750 ocorrem no estado de São Paulo. No estado de Roraima, o número de orquídeas encontradas já passa dos 400 tipos. As espécies encontradas são de tamanhos micros, pequenas, médias e grandes. Algumas são encontradas em abundância na flora brasileira, outras são consideradas raras e um certo número já se encontram ameaçadas de extinção. Na natureza, as condições climáticas adequadas somadas à abundância de vida na fauna e flora são fatores determinantes para a multiplicação dessas belíssimas e intrigantes flores. A variedade de orquídeas é imensa e impressionante.

Muitas orquídeas encontradas no meio da vegetação nativa do Brasil, vivem a 30 ou 40 metros de alturas. Na Mata Atlântica, por exemplo, são encontradas espécies que estão fixadas nos troncos e nas copas das árvores há 30, 40 e até 50 anos. Alguns pesquisadores dizem que é possível encontrar orquídeas centenárias até.

A interação com seu habitat

As orquídeas habitam nichos específicos, cada espécie depende do clima local ideal para se desenvolver com plenitude, incluindo a umidade relativa do ar, a luminosidade, a temperatura, a ventilação, os polinizadores específicos. Sem falar da dependência da associação com fungos, conhecida como micorriza, para germinação das sementes e desenvolvimento de novas plantas. Os fungos aumentam a capacidade de absorção de nutrientes das plantas ao mesmo tempo que elas oferecem açúcares e aminoácidos imprescindíveis para a existência dos fungos.

Ou seja, ambos (fungos e plantas) são mutuamente beneficiados. Isso porque os fungos nutrem as plantas e elas, por sua vez, durante a fotossíntese produzem carboidratos que são assimilados pelos fungos. Alguns exemplos entre milhares de opções, vamos conhecer algumas espécies de orquídeas encontras na natureza, em seu habitat natural. Mas é bom lembrar que existem mais de 2.500 espécies encontradas no Brasil!

Orquídea do Mato – Cattleya Labiata

 

A Cattleya é uma espécie que, no final do verão e princípio do outono, enfeita a natureza com as suas flores. Além das belas flores, somos premiados com seu magnífico perfume que é exalado principalmente na parte da manhã. Ele é tão característico que podemos chamar de “perfume das Cattleyas”. Esta espécie também conhecida como a “Rainha do Nordeste Brasileiro”

Orquídea do Mato – Cattleya granulosa

Cattleya granulosa

A Orquídea Cattleya granulosa normalmente nas restingas, embora ocorra em Pernambuco a uma altitude de 1000 m acima do nível do mar. Esta espécie é encontrada nos estados de Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Paraíba com menos frequência. A Cattleya granulosa tem como o seu estado de maior concentração o estado do Rio Grande do Norte.

No Brasil, há ocorrência de Cattleya granulosa no Nordeste e também um pequeno braço de ocorrência no Sudeste, que até um tempo eram chamadas de Cattleya Schofieldiana, porem estudos comprovam que são a mesma planta com algumas modificações ou adaptações locais.

As primeiras floradas podem ser observadas já em meados de junho ou julho mais ao extremo do litoral norte. Nas demais localidades as floradas vão ocorrendo até meados de dezembro. No entanto, foram encontrados exemplares floridos até fevereiro na natureza. O pico das florações se dá entre final de agosto e final de outubro.

Orquídea do Mato – Rodriguezia Bahiensis

Essa espécie nativa do Brasil, ocorre na Mata Atlântica nas regiões Nordeste ( Bahia, Pernambuco, Paraíba) e Sudeste (Minas Gerais). Epífita de meia luz, possui pequenas hastes suportando flores brancas pequenas com pequenos tons de lilás e amarelo no labelo conhecida como “buquê de noiva”. Possui pequenos pseudobulbos e raízes finas em grande quantidade.

Orquídea do Mato – Cattleya Júlio Conceição

Um fato interessante sobre está espécie é que ela é a primeira orquídea híbrida do Brasil. Portanto, ela não é nativa do nosso país, mas pode ser encontrada nas matas e florestas brasileira. Seu nome é uma homenagem ao criador do Jardim Botânico de Santos, Júlio Conceição. É encontrada em encostas na região amazônica. Suas flores, que surgem no verão, são brancas com um leve perfume e duram cerca de 15 dias. Tem como característica, o fato de não gostar de ser replantada.

Orquídea do Mato – Maxillaria Schunkeana

Aflor da orquídea negra mede 1,5 cm e passa a maior parte do tempo meio escondida na folhagem fina. Ela é encontrada nas florestas do Espírito Santo. As pétalas da Maxillarias chunkeananão são exatamente negras, mas são de um vermelho bem escuro. Ela tem um crescimento bem rápido, formando touceiras rapidamente. Um fato interessante é que suas flores têm curta duração (no máximo 5 dias), mas essa planta floresce várias vezes ao ano. Essa espécie gosta de locais sombreados e muito úmidos, mas não de água parada nas raízes.

Orquídea do Mato – Acianthera Saurocephala

Acianthera saurocephala é uma espécie de orquídeao riginária dos estados do Acre, Amazonas e Pará, no Brasil, também nos outros países amazônicos, além da Costa Rica, Honduras e Trinidad Tobago, antes subordinada ao gênero Pleurothallis. São plantas grandes, eretas que tem seu crescimento em touceiras. São bastante robustas, de caules cilíndricos e folhas ovaladas alongadas, espata grande. Sua inflorescência é bastante longa com diversas flores alongadas, bem abertas, normalmente amarelas, com algumas verrugas internamente. Ela possui pétalas intensamente fimbriadas e curta se labelo áspero e pequeno.

Orquídea do Mato – Brassia

As orquídeas do gênero Brassia pertencem à sub-tribo Oncidiinae e agrupam pouco mais de trinta espécies diferentes. Estão distribuídas no sul da Flórida e por vários países da América Central e do Sul, como o México, Brasil, Peru e Bolívia. Podem ser encontradas em várias altitudes, mas quase sempre em ambientes quentes e úmidos. As plantas, em sua maioria epífitas, têm crescimento simpodial, ou seja, possuem brotação lateral e são compostas por pseudobulbos de forma oval que crescem juntos, ao longo do rizoma. As hastes florais brotam a partir da base dos pseudobulbos e as flores são compostas por sépalas e pétalas muito alongadas. São muitas vezes chamadas de Orquídeas Aranha.

 

As hastes florais são espetaculares com um bom número de flores que duram várias semanas. Como são plantas epífitas e de ambientes tropicais, necessitam de calor e umidade constantes.As Brassias podem ser encontradas em troncos, pedaços de árvores.Principais espécies: Brassia arcuigera, Brassia caudata, Brassia gireondiana, Brassia lanceana, Brassia verrucosa.

 

Orquídea do mato – Gomesa

Orquídea Gomesa

 

Gomesa é um gênero tropical brasileiro que foi descrito por Robert Brown e nomeado em homenagem ao Dr. Bernardino Antônio Gomes, um médico e botânico português.Essas plantas crescem em florestas tropicais costeiras montanhosas em altitudes de 450 a 1.300m, nos estados do Rio Grande do Sul e Espírito Santo. Algumas espécies são encontradas um pouco mais para o interior, mas sempre em florestas úmidas ao redor dos rios. No seu habitat natural, as plantas são epífitas ou litofíticas, geralmente com muito material orgânico aprisionado nas bainhas dos pseudobulbos. As plantas de Gomesa produzem pseudobulbos razoavelmente bem desenvolvidos. As inflorescências são arqueadas e produzem numerosas flores pequenas, onde a sépala dorsal e as pétalas se levantam e as sépalas laterais apontam para baixo, produzindo flores de formas muito peculiares.

Sua inflorescência chega aos 30 cm de comprimento, sendo que as flores têm em média de 2 a 3 cm.A floração tem seu ápice no verão, tendo 15 dias de duração.As raízes são abundantes e aéreas, especialmente na espécie crispa.Muito comum encontrar cápsulas após o término da floração. As flores vão desde a cor amarelas esverdeadas à verdes, independentemente das espécies, por isso, às vezes, é muito difícil separá-las. Sua floração é muito perfumada. É uma planta de fácil cultivo, que entouceiram rapidamente, com flores verde-amarelas, bem pequenas, bastante perfumadas e muito numerosas. Existem dois tipos que são encontrados facilmente na Mata Atlântica: a gomesa recurva e a gomesa crispa.

A orquídea Gomesa recurva ocorre principalmente nos estados do sul e sudeste do Brasil, podendo também ser encontrada no Paraguai e Argentina. Como já foi dito anteriormente, existe várias espécies do gênero Gomesa cujas flores assemelham-se bastante entre si. A flor desta espécie assemelha-se a um pequeno boneco. As orquídeas têm como característica a presença de 3 sépalas e 3 pétalas. Neste caso, as sépalas formam a cabeça e as pernas. As pétalas compõem os braços. E o labelo, a terceira pétala modificada, é representado por uma espécie de babador pendurado no pescoço. Aliás, como a flor é formada por diversas dobraduras, essa característica deu origem ao nome da espécie, recurva. Ela possui um agradável odor cítrico.

Já a Gomesa crispa também chamada de Gomesa paranaensis, Gomesa undulata, Odontoglossum crispatulum, Rodriguezia crispa, é uma outra espécie do gênero Gomesa. Ela é encontrada em altitudes moderadas nas montanhas frias e úmidas dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Eles são populares ao nível do solo em florestas densas, em reflorestamento de florestas em tocos musgosos e em arbustos. A umidade alta e constante e o fraco movimento do ar são as condições em que as melhores plantas foram encontradas. Essa planta começa a florescer no verão em uma haste com 20 cm de comprimento, com várias flores perfumadas. As flores são amarelas a amarelo-esverdeadas, medem 2 cm de comprimento, medidas desde o topo da pétala dorsal até às pontas das pétalas exteriores laterais, e todos os elementos florais são fortemente torcidos e ondulados.

Orquídea do Mato – Lipares Nervosa

Ela é comum em matas secundárias, como aquelas que temos encontrado no Morro Santo, porque gostam de locais onde se acumula o detrito vegetal. As flores são pequenas, têm o labelo vermelho ou manchado dessa cor, enrolado para trás. As sépalas e pétalas formam um ângulo bem aberto e são da cor verde-amareladas. A inflorescência é ereta e apresenta entre 5 e 20 flores com as sépalas e pétalas de cor branco-esverdeada e o labelo verde-amarelado pigmentado com violáceo. Floresce entre os meses de dezembro e fevereiro. Ela vive em áreas úmidas e lamacentas, superficialmente enraizadas em solos argilosos, sob a sombra de arbustos em florestas úmidas baixas e encharcadas. É raro encontrá-lo e não é muito cultivado porque não se adapta facilmente a condições diferentes do seu habitat.

Orquídea do Mato – Encyclia

A Orquídea Encyclia é popularmente conhecida pelo nome de orquídea mariposa. A Encyclia é uma espécie vegetal nativa da América Tropical, sendo encontrada no México (região sul), em toda a América Central e na América do Sul (Brasil, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela). A Orquídea Encyclia é encontrada em vários tipos de vegetação, para que a espécie vegetal consiga sobreviver é necessário que seja aberta, com boa ventilação e temperatura quente, com boa condição de iluminação. Esse gênero conta com mais de 180 espécies catalogadas, que habitam, preferencialmente, matas abertas e quentes com bastante luz. E também locais que passam por períodos de seca, desde o nível do mar até mil e quinhentos metros acima. Por causa do desmatamento e da coleta criminosa, elas estão mais escassas no seu habitat natural.

Orquídea Encyclia

Quase a totalidade das espécies de Encyclia possuem características distintas na parte vegetal. Isso faz com que o gênero seja facilmente identificado mesmo sem flores. A plantapossui pseudobulbos cônicos ou esféricos, se apresentando de forma robusta, com uma ou até quatro folhas, finas e lanceoladas. As flores emergem do alto dos pseudobulbos, em hastes florais arqueadas e rijas, podendo ser racemosa ou paniculada. O tempo de duração das flores é de cerca de 30 dias, podendo ser ultrapassado, de acordo com o local e a saúde da planta. Em geral as espécies de Encyclia emitem muitas flores de perfume agradável. As pétalas e sépalas são similares na forma e na cor e o labelo é livre com cores chamativas e aveludadas.  Tem como seus polinizadores as abelhas e alguns pássaros, que são atraídos pelo perfume do néctar e suas cores apaixonantes. São plantas muito vistosas, de flores pequenas com tamanhos, abaixo de quatro centímetros de diâmetro, mas encantadoras e perfumadas. As cores também são um atrativo à parte, pois vão do amarelo ao verde musgo, com manchas purpuras e brancas. Outras espécies do gênero podem ser nas cores róseas, púrpuras, marrons e alvas.

Conclusão

Os tipos de orquídeas mencionadas aqui são apenas algumas das encontradas nas matas, florestas e campos no Brasil e em outros países. A diversidade é muito grande, mas vocêdescobrir quais as que “habitam” na sua região. Escolha uma maneira de conhecer as principais espécies mais próximas de você. Mas lembre-se: evite sempre retirar qualquer tipo de planta de seu habitat natural e contribua para que vários tipos de plantas não venham a ser extintas.