Orquídea Bambu

  orquídea bambu  As formas de cultivo e de apresentação são características marcantes e peculiares que distinguem a bela orquídea bambu (Arundina graminifolia ou Arundina bambusifolia) das outras espécies pertencentes à família Orchidaceae. Única representante do gênero Arundina (por isso, também é comumente chamada por este nome), é proveniente da Ásia Tropical, região que abrange desde Índia, Nepal, Tailândia, Malásia, Cingapura, China Setentrional até Indonésia e ilhas do Pacífico. Sua peculiaridade está relacionada principalmente, ao fato de ser uma orquídea terrestre. Graças ao volume de sua folhagem e a beleza de suas flores, é utilizada em acompanhamentos/decorações de muros, muretas e paredes ou em grupos, compondo conjuntos isolados. Também é possível cultivá-la em vasos, desde que receba algumas horas de sol diariamente.

    A Arundina graminifolia apresenta porte alto, ereto e delgado, com caule juncoso, que forma grandes massas e pode atingir até 2 metros de altura. Os escarpos florais surgem no ápice dos caules e suas folhas possuem cerca de 20 cm e são semelhantes às do bambu. Entre as curiosidades dessa espécie estão sua floração contínua, que acontece durante o ano todo, e a quantidade de flores ou keikis (mudas que nascem na parte terminal da planta).

    Quando multiplicada por semente, a floração ocorre em quatro anos. Se for por keiki, costuma ser em um ou dois anos. Produzidas em sucessão, as folhas resistem por até uma semana e possuem tonalidade lilás-rósea e um disco branco com labelo púrpuro, mas também podem ser encontradas na cor branca. Na Indonésia encontra-se uma variedade alba. Os racemos são bastante abertos, com cerca de dez flores, que têm entre 5cm e 8cm de diâmetro. As brácteas são triangulares e envolvem o caule principal do ramo.

   orquídea bambu Por ser adepta do clima tropical, necessita de solo úmido e muita luz, deve ser regada abundantemente no calor, dê preferência à noite. Embora a orquídea bambu prefira sol pleno, também se adapta à meia-sombra, contando que a umidade seja controlada, neste caso o ideal seria usar uma tela sombrite de no máximo 50%, pois um sombreamento maior poderia impedir a floração. Neste caso precisa de água de duas a três vezes por semana.

    Para se manter a orquídea bambu sempre saudável é importante plantá-la em solo rico em matéria orgânica, ou seja, preparar a terra com adubo orgânico, como terra vegetal, húmus de minhoca ou adubo caseiro. Na carência de algum nutriente importante, ela pode apresentar sinais de amarelamento e queda de folhas, no caso da falta de água o crescimento de novos bulbos fica prejudicado, por causa da desidratação da planta.

    Existindo apenas 200 plantas em crescimento na natureza em Singapura, a espécie está próxima da extinção, provocada em grande parte pela destruição do seu habitat natural, nomeadamente a floresta tropical e os mangais.

Como cuidar de orquídeas bambu:

Regue-as diariamente, durante temperaturas mais quentes, e em dias alternados quando o clima estiver ameno. Em épocas frias, a irrigação pode ser suspensa, pois o excesso de água pode matar as suas plantas. As flores devem ser protegidas do vento e de geadas, e é necessário, se possível, que existam árvores ou superfícies por perto, para abrigá-las. Também deve-se atentar às pragas.

Como e onde cultivar orquídeas bambu:

Em um local ensolarado, entre 25 e 30°C, com solo rico em material orgânico, bem adubado e drenado. Quando cultivadas à sombra, as orquídeas bambu alongam seus ramos e se curvam em busca do sol. Seu formato acaba sendo prejudicado e essa condição afeta a floração. A planta pode suportar, por pouco tempo, temperaturas muito frias, de 10º C, e até muito quentes, de aproximadamente 40º C.

Como e quando podar orquídeas bambu:

A poda deve ser feita logo após a floração, quando a orquídea estiver sem flores, retirando apenas as hastes mais velhas como limpeza da planta.

Como fazer mudas:

As orquídeas, quando saudáveis, costumam soltar brotações, denominadas de keikis, no meio ou na ponta de seus ramos. Espere que os keikis tenham duas ou três raízes de 5 cm e destaque-os da planta-mãe, plantando as mudas com um pouco de esfagno em volta das raízes. Esses brotos devem ser mantidos a meia sombra, borrifados semanalmente com NPK 10-52-10 diluído em água (1 colher de café para 1 litro de água). Essa formulação de adubo estimula o enraizamento e a produção de novas folhas.

Como adubar orquídeas bambu:

Plante-a junto de adubo animal e compostos orgânicos, com cascas de pinus ou de coco para garantir uma boa drenagem. As orquídeas absorvem o adubo através dos estômatos, estruturas que as plantas possuem na face de suas folhas. Para poder aproveitar os alimentos elas necessitam de água, dióxido de carbono e luz. A junção destes elementos na sua devida proporção irá auxiliar as plantas a crescerem saudáveis. Na carência de alguns nutrientes, a orquídea bambu apresenta sinais como amarelamento e queda de folhas.

Plantas que combinam com a orquídea bambu:

Hemigrafis crespa ou Hera roxa.

Orquídea bambu com manchas de ferrugem nas folhas:

Manchas circulares em tons castanhos, preto ou marrom (inclusive com bordas amareladas) ou anéis avermelhados nas folhas de orquídeas, podem indicar doenças causadas por fungos. Na maioria das vezes faz-se necessário o uso de agrotóxicos e fungicidas para eliminá-los.

Orquídea bambu com folhas amarelas:

São inúmeros os fatores que causam o amarelamento nas folhas das orquídeas, entre eles estão o excesso de luminosidade (sol em excesso), pouca água ou até mesmo raízes fracas causadas por um solo pobre em nutrientes.

Os agentes causadores da ferrugem nas orquídeas bambu podem ser vários, destacando-se: Sphenospora kevorkianii (=Uredo nigropunctata), Sphenospora mera, S. saphena , Uredo epidendri, U. behnickiana e Hemileia oncidii.

Estes fungos gostam de uma combinação de alta umidade com temperaturas amenas. Ocorrem em vários países, desde os EUA até o Brasil. As folhas são as partes atacadas, principalmente na parte inferior, onde aparecem pequenas pústulas alaranjadas ou marrom-avermelhadas. Como medida inicial, deve-se cortar as partes atacadas e queimá-las. Nunca jogar no chão próximo ao orquidário. Em seguida é aconselhável deixar a planta isolada das demais. São os recomendados os fungicidas com sulfato de cobre.